Artém defende posicionamento de vereadores sobre fatos que acontecem em âmbito nacional

Em pronunciamento na sessão desta quarta-feira (27/11), na Câmara de Vila Velha, o vereador João Artém (PSB) lembrou ao plenário que o parlamento é uma casa de debates, onde é normal e salutar o confronto de ideias e as divergências de opiniões. Segundo ele, muitos podem pensar que as câmaras municipais devem se ater apenas à discussão de assuntos de interesse local, mas por considerar fundamental o protagonismo dos vereadores no acompanhamento, avaliação, posicionamento e repercussão dos principais fatos que acontecem em âmbito federal, Artém justificou os discursos que vem fazendo sobre temas nacionais que, em seu entendimento, não podem ser ignorados por nenhum agente político, nem mesmo pelos que atuam somente na esfera municipal.

“Ontem, o Jornal Nacional exibiu reportagem sobre a análise feita por uma comissão federal da qual o deputado capixaba Felipe Rigoni faz parte, sobre os problemas atualmente enfrentados pelo Ministério da Educação (MEC). E o que foi mostrado nesta matéria deixou a opinião pública brasileira estarrecida, devido à paralisia do MEC, em decorrência das falhas em sua gestão administrativa e financeira. O ministério, além de não ter aplicado os recursos que deveriam ser investidos para garantir a continuidade das ações e programas voltados ao desenvolvimento da educação no país, já mudou, por três vezes, o comando do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), responsável pelo Enem. Isso mostra que a pasta – apesar de sua elevada importância – não vem sendo conduzida de forma competente e que, por motivos gerenciais, está parada”, lamentou Artém.

 

Ainda em seu discurso, o vereador – que é professor concursado da rede municipal de ensino – considerou o ministro Abraham Weintraub desqualificado para a função e destacou seu comportamento grosseiro e sua falta de educação, no tratamento das pessoas e no diálogo com outras autoridades públicas. “O ministro da Educação do Brasil é um homem sem educação, que descontinuou programas implementados por gestões anteriores, como o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic), e que tem atrasado repasses para outras iniciativas na área, como o Programa Mais Alfabetização. Por motivos como estes, é importante que os vereadores se pronunciem, em seus municípios, sobre o que acontece no país”.

Ao encerrar suas palavras na sessão da Câmara de Vila Velha, o vereador citou a letra da música “Explode Coração”, de Gonzaguinha, que também é cantada por Maria Bethânia. Artém disse que esta canção serve para ilustrar as tentativas de se trazer à tona, em âmbito nacional, antigos ranços como o Regime Militar, o AI 5 e outros atos repressivos, radicais, extremistas e retrógrados, defendidos por ministros, autoridades de alto escalão do Governo Federal e até pelo filho do presidente Jair Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, o mais votado da história política do Brasil. “Temos o dever de defender a democracia e de rechaçar esse tipo de discurso, que representa o atraso e o retrocesso, e que faz apologia à ditadura. E nós, vereadores, não podemos deixar de externar nosso posicionamento, junto à opinião pública municipal, acerca desses assuntos e dos principais acontecimentos políticos da agenda nacional”, defendeu.  

Assista o vídeo abaixo e confira, na íntegra, esse discurso feito por João Artém:

 

Departamento de Comunicação
Câmara Municipal de Vila Velha 
Editor Chefe: Claudio Figueiredo
Imagens/vídeo: Eder Denadai
Fotos/Artes: Rayssa Rocha
Tel.: (27) 3349-3252
comunicacao@vilavelha.es.leg.br